A Rede Sustentabilidade pediu, nesta segunda-

feira (11), ao Supremo Tribunal Federal (STF) que seja liberado em 72 horas a vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) não mostre por que considerou incompletos os documentos do Butantan.

O pedido foi informado também pela ex-senadora Marina Silva através de sua rede social.

No sábado (9), a Anvisa informou que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entregou a documentação da vacina de forma incompleta no pedido para uso emergencial da vacina contra coronavírus, a CoronaVac.

Na petição, a Rede solicita a liberação de uso emergencial em 72 horas caso a Anvisa não conteste o pedido, informando qual documento falta. Se fizer a contestação, a sigla pede que peritos sejam chamados para analisar o fato.

Assinar

Digite seu e-mail para assinar as notificações deste site